15.4.11

Um placebo chamado desarmamento

Número 417

Rubem Penz

 "Proibir arma legal é combater as drogas na farmácia."

O magnífico José Sarney, surfando na onda da comoção nacional pela tragédia do Realengo, requentou o tema do desarmamento e arma nova consulta popular. Agora, preparo-me para ler e escutar pessoas que admiro profundamente aderindo à tese de que a proibição do comércio de armas legais resolverá o problema da violência no Brasil. Gente que, assim como eu, não tem arma em casa, não pretende comprar uma arma, não frequenta estandes de tiro. Pessoas de bem, respeitáveis, inteligentes. As mesmas que estarão espantadas ao constatar que sou contra o desarmamento, ao menos nos moldes como estarão propondo. Clemência, por favor – minha posição é defensável.

Imputar às armas legalmente adquiridas no país o status de fonte que abastece o crime é igual a dizer que os remédios de tarja preta são os responsáveis pelo problema nacional das drogas. Desconsideram a maconha, a cocaína e o crack que entram em toneladas no Brasil ilegalmente: isso é outro caso, muito difícil de resolver. Olha o tamanho da nossa fronteira! A substância que, para ser adquirida, demanda receita médica especial, alvo de severo controle, também é droga pesada. Proíbe-se sua comercialização e, na hora, importante modo de drogatização é resolvido. Será?

Ao montar o argumento, não esqueci daqueles para os quais os remédios controlados são indispensáveis à saúde. Ao contrário. Evoco sua lembrança para falar dos que dependem de armas de fogo para manter sua segurança. Pasme: eles existem! Por exemplo, o estancieiro que está quilômetros distante da ajuda mais próxima, isolado e indefeso. Hoje, um delinquente pensa duas vezes antes de entrar na propriedade para suprimir seus bens (na melhor das hipóteses) apenas pelo fato de que poderá sofrer uma resistência letal. Isso é uma exceção? Claro! Assim como é exceção nosso doente que não vê seu problema resolvido com aspirina. Ambos cumprem severa legislação e estão obedientes à lei. A eles a proibição atingiria. Somente a eles.

É óbvio que o problema da violência no Brasil não está na arma legal, assim como o das drogas não está nas substâncias legais. Arrisco dizer, inclusive, que a proporção é a mesma, ao menos na população civil. As consequências de uma consulta popular proibindo armas lícitas, alimentada por uma tragédia nascida de uma arma ilegalmente adquirida, tem a mesma eficácia de o combate ao crack começar pela proibição dos remédios da farmácia. Isto é, prometem-nos a cura do mal ministrando placebo, e seguirão placidamente contando os mortos, livres de dor de consciência. A não ser que o alvo desse tiro seja outro. Mas aí também é outro artigo.

 

 


--
Visite-me em:
www.rubempenz.com.br
www.rufardostambores.blogspot.com



8 comentários:

Maria Lucia disse...

Bela sacada.Muito bom! Beijo

Beto Canales disse...

Como sempre, muito bem escrito.
Mas, na minha humilde opinião, com um senão: Ao contrário do que afirma ("...resolverá o problema da violência no Brasil.), a proibição do comércio de armas não teve e nunca terá a pretensão de solucionar o problema, e sim atenuar. Até porque a solução depende de centenas de fatores e não apenas de um.
Há uma lógica matemática nessa pretensa pequena ajuda: quanto menos armas, menos tiros.
Como exemplo, minha arma pessoal, que nunca usei, foi roubada de cima de um guarda-roupa há 10 anos, certamente foi usada por outros. Serviu, portanto, ao crime.
Um abração

Rubem Penz disse...

Maria Lúcia, grato!

Beto,
Rendo-me aos fatos: tua arma serve (ou já serviu) ao crime. Meu clamor, porém, é contra a certeza entregue ao bandido de que jamais sofrerá resistência equânime. E se "proibição legal" resolvesse, não existiria crack nas esquinas. Tanto quanto o amigo, desejo menos tiros. E o tema é polêmico, mesmo. Muito grato, abraços, Rubem

Tati disse...

Rubem, que tiro certeiro!
Concordo com tua crítica sobre o desarmamento.

E eles que nao venham tomar a arma que guardo em cima do armário! ( A propósito: http://tatianadruck.blogspot.com/2011/04/serial-killer.html )

Grande abraço!
Tatiana

Anônimo disse...

CONCORDO plenamente com teus argumentos, Rubem. É incrível como as mesmas pessoas que assistem a essa mídia que me parece incitar o crime (pelo exagero em mostrar os detalhes sórdidos da bandidagem), não enxergam através do mesmo meio de comunicação que as armas dos assassinatos e do tráfico, em sua maioria, não são armas legais, de calibre permitido, adquiridas aqui no Brasil e com todos os registros necessários. Não assistem, também, como a mesma capacidade crítica, que o Brasil não produz cocaína, ou seja, 100% desta droga e as derivadas dela entram no país pelas fronteiras. Não é difícil controlar o tráfico de drogas e nem as armas do crime, mas para tanto é necessário querer fazer com seriedade e compromisso, sem pensar no quanto a 'permissão' disto tudo é rentável a alguns num país de desinformados. Abraço! Luciano K. Fraga

Rubem Penz disse...

Tati, nossa! Que arma letal essa da tua crônica! E que desejo de morte! Muito bacana! Grato, abraços, Rubem

Rubem Penz disse...

Luciano, que tal gastarmos o valor de um plebiscito inapropriado em ações efetivas e apropriadas contra a franca entrada de armas e drogas na fronteira? Abraços, Rubem

Anônimo disse...

Rubem, perfeito! Se for assim, como sugeres, estou disposto a quebrar o meu porquinho e contribuir. Vamos gastar com o que realmente pode trazer algum resultado, por favor!!!! Abraços, Luciano.

Postar um comentário

Deixe aqui sua opinião.