27.4.12

Vitórias e outros prejuízos

Número 470

Rubem Penz

Filhos nascem para mudar nosso rumo na vida, para estabelecer nova ordem na escala de valores, para ensinar o que é importante, o que é secundário e o que é imprescindível. Eles nem sempre conseguem cumprir esse objetivo: pais que permanecem focados em si matarão muitas aulas e, com o passar dos anos, suas notas serão insuficientes para prosseguirem na esperada evolução humana. Porém, tal fracasso no enriquecimento de nossa existência, quando ocorrer, não pode ser atribuído aos filhos – sua (nada) simples chegada é a grande lição que oferecem. O restante precisa ser apreendido.

Vejamos um exemplo banal: jogos e brincadeiras esportivas. Desde tempos primitivos, a competição implica em vencidos e vencedores, com todos sabendo em qual dos lados desejamos estar. Aí o pai está diante do filho pequeno, oponente em condições desiguais, mas bravo e cheio de motivação. Surge a dúvida: ganhar ou perder? O destino do jogo é decidido nesse instante. Também aí, começam as lições de vida.

Há pais que enfraquecem suas posições e entregam todos os jogos. Só o filho vence. A felicidade é ofertada com perdulária gentileza. O pai relembra suas dores nas tantas derrotas e jamais deseja que o filho passe por essa tristeza. São aqueles que, na vida, não aprenderam muito bem a perder. Maus perdedores: é isso que eles são. Logo, quase incapazes de ensinar a perder com altivez.

Também existem os pais que jamais amolecem durante os jogos. A criança precisa crescer forjada na dificuldade, pois a vida não dá moleza a ninguém. Desejam incutir nos filhos o desejo messiânico de superação, dão valor aos feitos do David contra Golias, rezam na cartilha do sofrimento para merecer a redenção (quando não a vingança). São aqueles que, na vida, não aprenderam muito bem a vencer. Maus vencedores: é isso que eles são. Logo, quase incapazes de ensinar a vencer com humildade.

No centro, os moderados: pais que fingem derrotas e, vez por outra, impõem a superioridade como uma espécie de alerta. De um lado, miram o ganho de autoestima que só os reforços positivos podem oferecer. De outro, ensinam sua criança a lidar com as frustrações e limitações inerentes do convívio competitivo. São pais que souberam retirar exemplos das derrotas e das vitórias, lidando com ambas de modo a serem relativizadas.

Mas, e as lições aplicadas pelos filhos nos pais, onde estão? A resposta é: criando dilemas como esses, capazes de revisar conceitos. Quem não sabe perder, recebe a oportunidade de aprender para poder ensinar. Quem não sabe vencer também, só que em vetor contrário. Aos moderados, caberá a lição (igualmente difícil) de se entristecer quando "perde" para o filho e se alegrar quando o bate – fingindo o inverso que se passa no coração.

A última opção é ter sempre algo mais importante para fazer quando o filho convida para jogarem, brincarem, competirem. Ausência que poderá ser decisiva na conquista de muitas vitórias e outros prejuízos.


--
Visite-me em:
www.rubempenz.com.br
www.rufardostambores.blogspot.com



2 comentários:

Tati disse...

Que bem apanhadas as agruras do equilíbrio materno/paterno, Rubem! Desafiadoras equações diárias, sem prova ds nove. Abraço, Tatiana

Olive Oyl disse...

Apesar de não ter filhos, ao que me parece acertaste na mosca. Beleza, Maninho.

Postar um comentário

Deixe aqui sua opinião.